TENS MEDO DE RECONHECER QUE ÉS PECADOR?
"Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem", Rom 12:21

Jesus disse assim: "Não temas, ó pequeno rebanho! Porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino. Digo-vos, amigos meus: Não temais os que matam o corpo", Lucas 12: 4,32. O pecado é uma das muitas coisas que nos matam o corpo, para além dos vírus, da doença, do descalabro e do temor de sermos pecadores. Eu só quero falar dos temores que temos de olhar nosso pecado, pensando que se não o vermos ele não existe. Muitos deixam-se vencer do mal dessa forma - basta ele tornar-se invisível.

Existem várias fórmulas inconscientes de negligenciar nosso pecado: amando-o, evitando-o, temendo-o, ou mesmo menosprezá-lo com gracinhas, paródias e ignorância. Quem evita ver e olhar seu pecado livra-se duma certa fonte de tormento momentâneo, dum desconforto humilhante mesmo. Assim, quem não vê seu pecado tem tendência de se achar pecador sem reconhecer seu pecado: eu sou pecador! Mas nunca reconhece que é mentiroso, ou blasfemo, irreconciliável ou gatuno. Qualquer pecador detesta e teme olhar e reconhecer aquilo que é. Por isso só consegue reconhecer que é pecador - mais que isso, nunca! Logo, acham-se pregadores que nunca falam do pecado pelo nome, mas que digam apenas que somos pecadores, pois, todo o pecador fez um certo mundo à sua volta onde espera sempre o melhor de si. Logo nunca faz mal sendo pecador; nunca mente mas apenas se defende ao contar uma certa mentira; rouba porque tem fome: dá sempre uma razão para nunca ver seu pecado.

Outros ainda dizem que é pelo prazer que o pecado lhes dá que o pecado não pode ser pecado. Se é bom, logo não é pecado. Dessa forma, o amor ao pecado torna improvável que se reconheça o mal como mau e deixam assim que o mal os vença facilmente - querem ser vencidos dele. Quando este argumento lhes falta e chegam mesmo a reconhecer que o mau é mau, logo arranjam outro jeito de se desculparem, dizendo que não conseguem viver sem seus pecados, com ou sem lágrimas. Se conseguem, dizem que o pecado não o é; se acham que é crime, logo dizem que não é possível viver santo. Todo o temor, toda a cobertura que se dá ao pecado, é egoísta e tem mais olhos que razões, mais barriga que argumento, mais desculpa que verdade. Por todas estas razões evita-se arranjar doutrinas que nos pareçam incoerentes com tudo quanto cremos ou achamos verdade.

Mas o temor ao pecado nasce quando achamos que Deus de facto condena todo o pecado, que o único salário de qualquer pecado é a morte, ou que se formos pecadores é porque mentimos e falamos demais, contra e a favor do próximo, detendo a verdade em injustiça, reconhecendo e vendo o pecado nos outros - e sabemos que os outros têm de facto - mas nunca olhando para os nossos próprios. Assim, julgamos porque tememos, porque nos defendemos a nós próprios, sabendo que quem julga tem esse mesmo pecado por certo. É difícil para todo o pecador chegar ao ponto de reconhecer para ele mesmo, diante de outros ou com toda a verdade que pecou em pormenor. Enquanto usar apenas a palavra "pecado" e não disser mentir ou algo que tenha mesmo feito, sente-se bem. Mas a partir do momento que dá nome ao seu pecado, luta para encobrir. Acha que encobrindo está bem porque se apressa a refugiar-se na opinião dos outros a seu favor. Incita os outros a pensarem bem dele mesmo, falando mal dos outros como arma de promoção de sua própria imagem diante de si. Pensa que nessa imagem perante outros está seguro. Não nos admiramos, pois, que Deus quase sempre nos leve a reconhecer todos os nossos pecados diante de nosso próximo porque nos sentimos refugiados naquilo que os outros possam pensar e amar em nós. Daí que a Bíblia nos fale que "Confessai, portanto, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados", Tiago 5:16. Assim, a opinião pública deixa de servir de refugio para endurecimento. Como precisamos também ser curados de certos temores e pelos quais fazemos mil e uma coisa, confessando combatemos o mal em nós, a ilusão e vencemos todo o nosso mal fazendo e praticando o bem. A opinião pública nunca salva, mas encobre, prolonga o endurecimento e afasta de todos nós o bom senso da verdade sobre os factos.

Existem muitas maneiras de nos deixarmos vencer pelo mal. Um dia vi uma menina de dois anos brincando com seus amiguinhos - estavam se escondendo uns dos outros porque se assustavam mutuamente entre suas gritarias. Logo, esta menina tapou seus próprios olhos a achou que estava escondida dos outros porque não os via. É precisamente o que muitos fazem com seus pecados - porque brincam ainda com eles e acham como se podem iludir acerca da realidade. Esta menina tinha medo de ser assustada e achou que nada vendo e crendo só naquilo que queria, nada de mais lhe podia acontecer. Mas isto é quando se acha que as coisas são uma brincadeira. A eternidade, os factos sobre nossos muitos ou poucos pecados, são realmente ameaçadores. Vamos olhar para todos os nossos pecados de verdade? Jesus disse "Não temam, sou Eu". "Eis o Cordeiro que tira o pecado do mundo" e nos coloca num alto retiro sem eles.

Logo, para alcançarmos esta misericórdia de poder deixar também nosso pecado - até o mais favorito, o mais escolhido e o que consequentemente mais e melhor encobrimos - existe um princípio básico de perdermos nossos temores acerca deles, passando a reconhecer perante seja quem for. Expondo na luz, todo pecado morre - se o pecado morre e é crucificado virtualmente com Cristo, logo sua culpa e consciência também morrerá de seguida. Por que temer o que faz mal ao corpo então, achando que não está em nós? Que acharia de alguém que, por ter medo dum ladrão que está em sua casa, diz "Não, ele não está em minha casa!", acreditando mesmo nisso? E se estiver? E se Jesus disser "Olha para ele, para aquele que pode matar o teu corpo - eis que estou contigo, sou Eu"? Vai temer reconhecer, vai temer quem rouba e mina, quem pode matar o corpo, ou vai antes temer quem tem toda a autoridade de lançar no inferno para sempre? Se reconhecer seus pecados, perde sua popularidade, mas ganha sua vida perante quem vai perder as suas próprias se nunca seguirem seu exemplo de reconhecer diante de homens e anjos toda a verdade. Vai se deixar vencer do mal porque teme, ama ou encobre seu pecado? "O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia. (14) Feliz é o homem que teme ao Senhor continuamente; mas o que endurece o seu coração virá a cair no mal", Prov. 28:13-14. Eis a opção: ou teme a Deus, ou antes teme olhar para seu pecado e arranja jeito de não confessar, restituir ao seu próximo aquilo que lhe roubou. "Digo-vos, amigos meus: Não temais os que matam o corpo e depois disso nada mais podem fazer. (5) Mas eu vos mostrarei a quem é que deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, digo, a esse temei", Lucas 12:4-5. E a primeira pessoa a temer reconhecer que é deveras pecadora, é o crente. Mas Jesus disse assim: "Digo-te que não sairás dali enquanto não pagares o último ceitil!" Lucas 12:59.

Voltar para Index de Mensagens

José Mateus
zemateus@msn.com