QUANDO É QUE OS NOSSOS SONHOS VÊM DE DEUS
"Pois assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel: (…) nem deis ouvidos aos vossos sonhos, que vós sonhais", Jer.29:8

É frequente, quando Deus faz uma obra num meio onde as pessoas estão impuras, isto para as purificar, que haja sempre quem se levante em nome de Deus sem que haja sido mandatado por Deus. Para alguém ser mandatado por Ele, terá de poder ser mandatado para Ele; para ser mandatado para ele, terá de ser por Ele também. Porque se passa isto assim? Qual a razão? Nada demais – as pessoas seguem o coração irreal que têm dentro dum novo contexto verdadeiro. Uns seguem seus sonhos e suas profecias, outros seguem suas doutrinas e formas em conjunto com fórmulas às quais seus corações logo se apegam, porque lhes dá jeito. Ambos defecam um mesmo erro: falam em nome dum mesmo Deus, prometem em nome de Deus e brincam com suas vidas como se nada de errado se estivesse passando. Uns crêem em milagres para proveito próprio, outros desprezam-nos para o mesmo fim. Outros ainda, desprezam milagres e manifestações de Deus por serem nuvens sem água.

É bom ter Deus por perto; melhor ainda quando nosso coração está em sintonia com este Ser eterno sempre que está por perto - não apenas ocasionalmente - que pode operar em prol duma eternidade no meio de seres que vivem, quando muito, setenta anos para nada. "Porque mil anos aos teus olhos são como o dia de ontem que passou e como uma vigília da noite. A duração da nossa vida é de setenta anos; e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, a maioria deles é canseira e enfado; pois passa rapidamente e nós voamos", Salmo 90:4,10. Mas, caso as pessoas tenham um coração pervertido, perverso e "polivalente", vendo Deus por perto – um Ser omnipotente, que tudo pode – e não vendo estas coisas porque se amam a si mesmos em extremo, acham em seus corações que são donos de toda a razão e criam uma fé doida que só os pode beneficiar nos setenta anos de vida que acham que será o seu direito e o dever da bênção de Deus, o que faz com que esqueçam a eternidade que está diante de si por inteiro, esquecendo-se estes marginais também que Deus tem outros planos, outras ideias que nunca incluem um coração egoísta, terreno, de pensamento curto, pervertido pela própria razão. "Porque os Meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os Meus caminhos, diz o Senhor. Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. (9) Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos", Is.55:8-9.

Deus nunca leva em linha de conta aquilo que o coração do homem pensa e maquina para os incluir em seus planos, com excepção de quando vai operar nesses mesmos pensamentos uma transformação que pensa e pensará como Deus em ocasiões futuras. Muitos, porém, apenas abrigam o jeito e o conteúdo daquilo que Deus pensa fazer e operar nas cercanias de quem O busca mas nunca de todo o coração e nem no próprio coração. E a condição de se estar bem não é profetizar, mas sim achar Deus de facto, pois, "Então me invocareis e ireis e orareis a mim e eu vos ouvirei. (13) Buscar-me-eis e Me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração", Jer.29:12-13. Não diz aqui que acharemos outras coisas, mas sim a Deus - o Próprio.

Buscar Deus de todo o coração implica sempre abdicar do nosso jeito peculiar de buscar Quem tudo pode fazer por nós – ou assim achamos – pois, de facto Ele pode, mas de outro jeito que não nos é conhecido nem familiar. "E guiarei os cegos por um caminho que não conhecem; fá-los-ei caminhar por veredas que não têm conhecido; tornarei as trevas em luz perante eles e aplanados os caminhos escabrosos. Estas coisas lhes farei; e não os desampararei", Is.42:16.

Quando Deus falou a Saúl que já havia escolhido outro Rei em seu lugar, este poderia haver aceite a nova vontade de Deus mesmo sabendo que sairia de seu reino e caso permanecesse por algum tempo mais nele, nunca subsistiria. Assim, poderia ter abdicado desse mesmo trono prontamente porque era a vontade de Deus. Bastaria que Saúl quisesse crer naquilo que ouviu. Mas, por conveniência nunca quis crer. Já Davi creu em Deus aquando do profeta Nathan, quando se viu perante a morte por causa do adultério de Berseba. Lemos que "Então disse Samuel a Saúl: Procedeste nesciamente; não guardaste o mandamento que o Senhor teu Deus te ordenou. O Senhor teria confirmado o teu reino sobre Israel para sempre; agora, porém, não subsistirá o teu reino; já tem o Senhor buscado para si um homem segundo o seu coração e já o tem destinado para ser príncipe sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o Senhor te ordenou", 1Sa 13:13,14; quando Deus editou esta nova fase que em nada agradava a Saúl que antes era humilde e deixou a ideia dum trono subir ao seu próprio coração perdendo assim aquele amor inicial apenas pela vontade de Deus, como alguém deixa subir um emprego, uma casa, um filho ao trono de Deus (seu próprio coração) depois desta vir a nós na forma realizada, logo devemos saber que Quem está falando tem a melhor das intenções em retirar-nos de algo ou tirar algo de nós. Caso Saúl tivesse abdicado do trono em prol daquela nova vontade de Deus – nova por sua própria culpa em ter deixado medos e complexos de superioridade penetrar em seu próprio espírito – teria logo ali salvo sua própria vida do pecado, do seu orgulho e do inferno. Foi a partir daqui que ele queria Deus, sim, a sua Vida recente mas passada já de si pela sua desobediência, mas também o trono que já estava fora dos planos de Deus para ele por causa de sua desobediência. Mas as duas coisas juntas eram, a partir dali, impossíveis de se juntar, pois aquilo que  Deus separa, nenhum homem o tente juntar de novo, como foi o caso do Reino de Judá e Samaria que antes, juntos, formavam o reino de Israel, sobre o qual Saúl foi colocado para pastorear por Deus. E Jeosafá tentou unir os reinos que Deus separou e deu-se muito mal com isso. Este é o terreno onde os sonhos se tornam falsos, pois as pessoas começam a achar que Deus muda de ideias e que quer aquilo que eles próprios querem e desejam.

É obvio que toda a palavra de Samuel teria sempre um enorme peso em qualquer um porque Deus havia sempre confirmado tudo aquilo que saíra de sua boca anteriormente. Lemos que "o Senhor era com ele e não deixou nenhuma de todas as suas palavras cair em terra", cumprindo-as todas, 1Sam 3:19. Mas que se passará quando não há alguém como Samuel, como Jeremias e Isaías, os quais ninguém se atreve a intimidar ou mesmo contestar depois de suas palavras se haverem cumprido todas visivelmente? Lemos que Deus mandou perguntar a um falso profeta que dizia que falava em nome de Deus, que repreendeu todos os que profetizavam em Israel contra Israel "agora, pois, por que não repreendeste a Jeremias, o Anatotita, que vos profetiza" também? Jer.29:27. É dentro deste contexto de haver um povo de Deus onde os falsos profetas reaparecem sempre sob pretexto de sonhos, os quais sonham falsamente e podem aparecer a qualquer momento onde qualquer profecia verdadeira está sendo dada ao povo. Os falsos aproveitam o jeito que vêem nos que fazem correctamente.

Não havendo alguém entre o povo de Deus com o peso daquela palavra que todos ouvem por causa da clara e evidente bênção de Deus aderente a tudo aquilo que se diz e faz, sendo esta árvore conhecida pelo fruto que distribui a todos os que querem ouvir, logo se torna tudo mais fácil a que falsos profetas e falsos professores de leigos se entendam muito bem, falando em nome de Deus sem que hajam sido mandatados para tal fim – falam apenas em conformidade com tudo aquilo que desejam e gostariam que fosse real, mas em nome de Deus. Eles querem mesmo que Deus faça suas vontades.

Deus não fala apenas por sonhos, como não fala apenas pelas Escrituras – qualquer servo leal sabe disso. Tudo bate certo com as Escrituras quando Deus fala, mas isso nunca quer dizer que Deus fale apenas pela Bíblia, pois lá não vem qualquer indicação de qual entre dois empregos ou tarefas tenho de escolher e aceitar – e todos teremos de andar e viver dentro de toda a vontade de Deus para nossa vida pessoal, pois "Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus", Mat.7:21.

A tarefa primordial de Deus em todos nós, é mudar nosso coração. Mas para mudar, Ele terá necessariamente de ser Emanuel, Deus habitando connosco – entre nós. Logo habita entre um povo de "impuros lábios", conforme exclamou Isaías (Is.6). Se Isaías falava ocasionalmente tudo aquilo que Deus dizia fazer de facto, imagine que quando Deus lhe apareceu, ele se apercebeu que estava impuro de lábios. Impuros lábios porquê? Ora vejamos em um pormenor (pois há mais), sabendo de antemão que, Deus, para os salvar terá de habitar em seu meio necessariamente, lá onde aparecerão, por certo, falsos profetas também.

Este povo tem casas, filhos maridos e coisas às quais seus corações se apegaram muito. Mas, sejamos claros: tais coisas para a eternidade nada contam, nem tão pouco podem contar. Logo que alguém se apercebe que Deus está no meio dum povo, saem de seus covis pessoas como Saúl, que têm pensamentos muito baixos, alguns a nível de inferno mesmo, querendo e desejando para si tudo aquilo que ou Deus quer destituir, ou quer anular para que em termos de Céu e eternidade se criem novos amores nos corações dos homens, os quais nunca tenham como encher seus corações com mentira e ilusão, conforme aconteceu com Ananias e Safira também (Act.5:3) - nem sequer podiam gozar o dinheiro que esconderam dentro do seu coração antes tocado por Deus. As pessoas, quando têm e sentem Deus e verdade por perto, sentem uma vontade irresistível de congratular, bajular seus próprios corações, quando Deus apenas quer salvar através duma calamidade, doença ou perseguição abençoada. Logo, quem se ama a si mesmo, com um amor que nunca é amor de verdade, (pois se amasse de facto nunca atentava contra a sua própria salvação destas coisas como um suicida eterno faz, como fez Saúl), põe aquilo que Deus pensa ao nível de tudo aquilo que deseja; corrompe assim seu coração com pensamentos que nunca vêm de Deus, mas os quais lhe saem emocionalmente e ocasionalmente inspirados, por tentação ou manifestação satânica mesmo, selados com engano e fé fatal pelo evidente egoísmo aderente a estes, o qual não vê como egoísmo e sim como "amor" porque derrama umas lágrimas emocionais quando ora. Há orações que são pecado, muitas a partir de suas origens.

Será assim que nascem os falsos profetas dentro dum ambiente sólido, pois João diz que (19) "Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido connosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos", 1João 2. São estas as tais pessoas que negam que Cristo veio na carne para a destruir e destituir por inteiro (toda a carne - por isso e para isso veio em carne), amando antes aquilo que pensam irão usufruir pela presença de Deus em si, isto é, luxúria em abundância entre si mesmos. Confessam-No mas negam-No de coração e de anseio "porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo, (e qualquer um ainda vai em tempo de se entregar a tais coisas depois de ser tocado pela regeneração de Deus). (17) Ora, o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre. (18) Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora. (20) Ora, vós tendes a unção da parte do Santo e todos tendes conhecimento", 1Jo 2:16-20. Levemos em linha de conta que esta palavra "anticristo", devido à evidente falta de palavra em nossa língua que se lhe equipare, quer dizer também "igual a Cristo, semelhante a Cristo" também.

Logo, Cristo disse bem as coisas quando disse "Se alguém vier a mim e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs e ainda também à própria vida, não pode ser meu discípulo", Lucas 14:26. Só teremos um único jeito de salvar nossos parentes: indo atrás de Cristo. Só que há muitas pessoas que acham que têm como ser Seus discípulos amando ainda a sua própria vida, havendo Cristo dito que isto lhes é de todo impossível. Por desejarem que Deus faça as suas vontades, as pessoas sonham alto (ou baixo demais) e falam que foi Deus que os fez sonhar assim. "Pois assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel: (…) nem deis ouvidos aos vossos sonhos, que vós sonhais", Jer.29:8. Dê ouvidos apenas se forem de Deus. Amem.

Voltar para Index de Mensagens

José Mateus
zemateus@msn.com