O VER VICIADO
"Deixe o ímpio o seu caminho e o homem maligno os seus pensamentos; volte-se ao Senhor, que se compadecerá dele; e para o nosso Deus, porque é generoso em perdoar. Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos", Is.55:7-9

O homem vicia-se com pouca coisa. Nunca é preciso muito para prender um homem ou mulher a algo fútil e inútil. Daí se pode deduzir que também não será difícil que alguém ganhe os hábitos certos, tendo a teimosia apenas como impedimento, tal como a perda das futilidades que aprendeu a amar. Mas, o que faz o homem prender-se a qualquer coisa é o modo como olha para essas mesmas coisas. Seu parecer fútil torna-se a cola onde o vicio pega para não mais sair de lá sem uma luta e sem resistência. A teimosia impede o homem de estar certo e o incentiva a tornar-se tolo e bobo sem se dar conta. Mas, mesmo quando se dá conta, prefere ser incentivado a ser tolo se isso implicar a perda de seu jeito que aprendeu do mundo e do diabo.

O pior inimigo de todo homem sempre foi ele mesmo. Muitos acusam Satanás de seus próprios males, outros acusam Deus. Mas, com toda a verdade se pode afirmar que tudo que cada homem faz é consequência directa daquilo que ele é e de como olha para as coisas. E o diabo nem se importa qual o mal da pessoa, qual o tipo de desvio, desde que tal coisa possa colocar a pessoa e a criatura andando afastado do jeito de seu Criador.

Se olharmos para o mundo, para tudo que nos rodeia, à nossa maneira, do nosso jeito, logo nos habituaremos a ver as coisas do jeito que não são e sentiremos a falta de as ver como nos habituamos a ver e olharmos para as coisas caso nos falte esse mesmo jeito pessoal vindo do mundo.

Assim, tudo quanto pode levar qualquer homem ou mulher a olhar para trás (ou olhar para a frente de seu jeito) raramente é o que deixa ou aquilo que acha que irá alcançar: tudo quanto o pode prender é simplesmente a forma como assimila tendo essas coisas como objecto fixo de seu modo de olhar peculiar e exclusivo. As coisas são apenas objectos escravos de seus jeitos. Na verdade, todos os medos e todas as outras formas de olhar para trás são consequência directa de nossos jeitos viciados que se sentem transtornados se não forem confrontados através da luz de Deus e com Seu poder e sabedoria. Mas para que a sabedoria de Deus nos sirva para algo, teremos de ser obedientes para com tudo que é verdade, tanto sobre nós mesmos como sobre os outros. Nós nos entregamos à verdade e somente à verdade, do jeito da verdade e nem é do nosso jeito. Nossa conduta terá de mudar e criar hábitos correspondentes à nova vida, seja antes ou depois de acharmos toda a plenitude que Deus dá de graça. E poucos homens dão valor ao que se recebe de graça.

O medo é um vício, tal como o tabaco, o falar muito, o beber entre outras coisas. Existem muitos vícios em nós dos quais nem nos apercebemos porque nem andamos perto de Deus, em Sua luz que ilumina todo homem. Muita gente  fala, mas nem sempre porque tenham algo para dizer – eles falam antes porque estão viciados em falar de seu jeito e de dar sua opinião. As pessoas querem e acham que precisam ganhar qualquer argumento a qualquer custo. Existem pessoas que gastam fortunas e imenso tempo para ganharem um simples argumento que acham importante. Perdem fruto de trabalho para mostrarem que têm razão e se acham satisfeitos com a consumação de algo que achavam que era imprescindível e de direito. Isso é vício pedindo satisfação. Nenhum homem vive porque ganhou um argumento e nem morre porque perdeu a razão. Ter razão, no mundo, é sinal de orgulho e nunca sinónimo de se haver achado verdade, daquela busca de verdade que pode fazer a diferença. Se alguém busca a verdade para a achar como verdade apenas, nem se sentirá congratulado estando na razão, pois sabe que a verdade é um caminho para seguir ainda e não uma coroa para o inconstante orgulho de cada homem. É um privilégio acharmos verdade que se pode tornar real para abandonarmos nossos caminhos, abandonar nossas candeias sem brilho para andarmos em plena luz onde nada se esconde.

A insegurança, o ciúme, a inveja, entre muitas outras coisas são sempre vícios que são moldes de nosso olhar e moldam nossa cultura, conduta, modo de pensar e de expressar entre muitas outras coisas. É por essa razão que Jesus nos afirma que a candeia de nosso corpo e alma é nosso olho. Se nossos olhos forem bons e não se ficam para ver o que o mundo oferece ou do jeito que oferece e dá a ver, todo nosso corpo terá luz. As pessoas nem têm noção de que assistir um bom filme ou novela que se usa dos jeitos do mundo para colocar um argumento diante de nós, alimenta o que de mais ruim existe dentro de cada homem: ele próprio. Não podemos olhar para essas manifestações de ânimo leve, nem mesmo quando as controlamos. Tem algo substancial por detrás de qualquer conduta menos precisa, pois cada conduta tem um molde que a instiga e instala. E evitar as coisas, evitar olharmos para o mundo nem chega para Deus e nem para nós. Jesus disse que quem não aborrece a PRÓPRIA vida nem tem como se tornar seu discípulo. Evitar nem é aborrecer. Quem evita sem aborrecer, provavelmente ainda gosta daquilo que evita e gostar não será aborrecer. Nós podemos ver um pinto viciado em nós e nos assustamos para expulsá-lo de nossa cabeça para não nos sujarmos mais. Mas, esse pinto veio de uma galinha e se o pinto for expulso, a origem desse pinto continuará fabricando pintos que darão origem a outros ovos que desconhecemos e em relação aos quais nem aprendemos a estar atentos porque cuidamos que já matamos um pinto. Logo, expulsar e controlar um simples pinto, pode resolver nosso problema momentaneamente e nos fornecer a alegria momentânea dum triunfo que nem é triunfo. Mas, tudo o que o resolverá nosso problema de vez será caçar a galinha que fabrica esses pintos. Jesus afirmou que, "A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo teu corpo terá luz; se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes são tais trevas!" Mat.6:22-23. E o maior mal do homem é reconhecer e aceitar que está errado, mesmo que seja para estar certo depois adoptando algo eterno e constante agora como seu.

Se olharmos para as coisas por óculos escuros toda a vida, por uma janela colorida, acharemos sempre estranho quando olharmos para as mesmas coisas conforme elas são se não usarmos mais nossos utensílios favoritos. E Deus não vê as coisas através de nosso jeito, mas como são. É assim que nos devemos habituar a olhar para elas também: devemos sempre buscar a verdade a achá-la boa. Muitos acham que pecam contra o Espírito Santo quando, ao vendo a verdade, afirmam que uma certa igreja ou doutrina está errada no que faz ou no jeito que faz. Mas, na verdade, Jesus fala em aceitarmos aquilo que é verdade e puro e nada mais. O resto devemos saber rejeitar muito depressa, sem tentar agradar homens e muito sabiamente. Ámen.

Voltar para Index de Mensagens

José Mateus
zemateus@msn.com