“”, )
FRUTO DO ESPÍRITO
"Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei", Gál 5:19-23
  1. Em primeiro lugar, não podemos olhar para os 'frutos' em separado, isto é, separados uns dos outros. Na verdade, usar a palavra no plural já é um erro doutrinário sério. Não são os frutos do Espírito e sim o fruto do Espírito. Quando Paulo fala a respeito do amor, do gozo, da longanimidade e do domínio próprio, ele não usa a palavra "frutos" e antes "fruto". Ele diz: "Mas, o fruto do Espírito é..." De seguida, passa a falar sobre algumas características ou virtudes desse fruto. Assim, ao falarmos do fruto do Espírito, não podemos separar o amor da esperança, da fé ou da paz, pois, é um conjunto de coisas que não vivem separadamente. O homem não pode ter amor e falta de paz, como não pode ter amor e falta de esperança. Ou tem tudo, ou não tem nada. O fruto do Espírito são todas as coisas em conjunto. "Porventura deita alguma fonte de um mesmo manancial água doce e água amargosa? Meus irmãos, pode também a figueira produzir azeitonas, ou a videira figos? Assim tampouco pode uma fonte dar água salgada e doce", Tgo 3:11-12.

  2. Em segundo lugar, o fruto é fruto duma comunhão. Um filho é fruto duma comunhão entre um casal. Logo, o fruto do Espírito existe por via duma comunhão contínua entre o coração e Deus. Essa comunhão tem de ser real e não pode ser uma comunhão da imaginação ou da suposição. Quando essa comunhão existe, o fruto é a consequência mais direta dela. Se olharmos bem para as coisas, vemos que o fruto duma comunhão ganha sempre o nome do pai. No caso do fruto do Espírito, vemos que ganha o nome do Espírito e não da pessoa (da mãe) em quem esse fruto abunda e habita. Mas, qualquer filho ou fruto tem a mãe como responsável por ele tanto quanto o pai o é, ainda que, por vezes, as responsabilidades sejam, de alguma forma, diferentes. Isto significa que o fruto do Espírito tem Deus como Pai e o homem como 'mãe'. Deixem-me citar um exemplo. Paulo fala em domínio próprio como uma das características desse fruto. Uma das faces desse fruto único é o domínio próprio. Ora, como é que domínio próprio pode ser fruto do Espírito? É próprio ou é do Espírito? Como pode ser do Espírito se é próprio? Olhando para isso dessa maneira, vemos que o homem tem uma enorme responsabilidade e co-participação na criação e na manutenção do fruto do Espírito. O fruto do Espírito ganhou o nome do Pai, mas, tem mãe como gestante e como cuidadora. Toda a mãe tem um ventre onde o filho é concebido. No nosso caso, temos um coração e uma mentalidade onde esse fruto é imputado e mantido vivo. O Pai é responsável pela fecundação do fruto e a mãe é responsável pelo carregar desse fruto. O Pai é responsável pela provisão e a mãe por dar o que foi providenciado. A responsabilidade da manutenção desse fruto é partilhada entre ambos. Isto significa que a responsabilidade da mãe em relação ao fruto do seu ventre ou do seu coração é enorme.

  3. Então, temos que olhar para o fruto do Espírito e não para os frutos. Ora, se a pessoa não está bem com Deus, se existe algo a separá-la de Deus, não pode dizer que tem o fruto do Espírito. Quando muito, pode ter imitações próprias daquilo que acha ser o fruto do Espírito, como amor carnal, etc.

Vamos enumerar alguns exemplos da perda de fruto.

  1. Muitas pessoas vêem que as coisas não andam bem na igreja e começam a orar muito para que as coisas mudem. Mas, com o tempo apercebem-se de que continuam piorando a cada dia que passa. No mínimo, continuam na mesma. Por que será que isso acontece? Na verdade, quando as pessoas que oram têm coisas a separarem-nos de Deus, as suas orações têm sempre um efeito contrário, pois, só assim Deus os consegue repreender e chamar à razão. "O que desvia os seus ouvidos de ouvir a lei, até a sua oração será abominável", Prov.28:9. Podem ser erros doutrinários, pecados ou infidelidades nos deveres de filho de Deus. A única coisa que irá resolver o problema é aqueles que oram e sofrem ajeitarem toda a sua vida com Jesus, tanto a nível de vida como de doutrina. Se as orações não funcionam, algo existe de muito errado. As orações deveriam ser as coisas que melhor funcionam e melhores resultados práticos trazem.

  2. O mesmo pode acontecer em casa, no emprego ou em outros lugares. As pessoas até podem ser materialmente prósperas, mas, são falidas a nível de fruto real. A prosperidade material pode ser sinal de bênção, mas, nunca é mencionada como fruto do Espírito. E os crentes de hoje desejam que isso seja visto como fruto do Espírito – por vezes, como único fruto do Espírito! Não é de admirar que muitos passem financeiramente mal.

  3. Os casais dizem que não são pessoas compatíveis e parece que devem separar-se. Oram muito e as coisas só pioram. Porque será? Isso pode ser porque a esposa quer que o marido se arranje e ela negligencia a própria vida com Deus; o esposo segue-lhe o caminho e fica brigando para que ela se arranje primeiro, etc. Na verdade, um fica querendo ajeitar a vida do outro e mandar nela. Só podemos arranjar a própria vida. Essa falta de comunhão entre uma pessoa e Deus leva à falta de comunhão entre marido e mulher, pai e filho, mãe e filha, genro e sogra, patrão e empregado, etc. Vemos que o fruto apodrece e quando amadurece, ninguém o consegue comê-lo, pois, apanhou bicho.

  4. Quando a pessoa tem tudo em ordem com Deus e ainda assim a sua vida não frutifica celestialmente, pode ser porque está separando as obras do Espírito umas das outras. As obras do espírito são um conjunto, são uma unidade. A pessoa deseja amar os outros, mas, não deseja ser paciente no trabalho. Logo, quer uma coisa e rejeita a outra. Mas, como o fruto do Espírito é um conjunto de coisas, não consegue amar e irrita-se facilmente. Assim nada funcionará.

  5. Já viram pessoas que pertenciam à igreja andarem no mundo e voltarem para o pecado, virando as costas à igreja? Essas pessoas, na verdade, nunca se arranjaram com Deus. Talvez a própria igreja nunca se tenha arranjado com Deus. Elas vivem ou viviam na igreja de costas voltadas para Deus acreditando serem crentes firmes – e os outros bobos também os viam como crentes. Assim que o diabo quer, elas saem da igreja e começam a fazer coisas piores ou iguais às que os do mundo fazem. Não trazem fruto porque a sua vida é desordenada e nunca foi verdadeiramente limpa. "Àquele que bem ordena o seu caminho, Eu mostrarei a salvação de Deus", Sal.50:3. Aos que não ordenam seus caminhos, essa salvação não será revelada – muito menos dada. Amem.

Voltar para Index de Mensagens

José Mateus
zemateus@msn.com