CUMPRIDORES E MANDÕES
"Melhor é morar num canto do eirado, do que com a mulher rixosa numa casa ampla; Melhor é morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e iracunda; a goteira contínua num dia chuvoso e a mulher rixosa são semelhantes", Prov.21:9,19; 25:17
  1. Hoje vamos falar do papel da mulher como referência. Contudo, é como se servisse de parábola para o homem também.

  2. Qualquer vida afecta qualquer outra vida ao seu redor. Ninguém pode achar que vive numa ilha. Não existe um único pecado ou erro que afecte apenas quem o cometeu. Os pecados são como os terramotos, os quais destroem muitas pessoas longe do seu epicentro. Imaginar que os seus filhos, os seus amigos e outras pessoas não irão sofrer com os seus erros é uma utopia, é uma cegueira própria daqueles que não querem olhar os factos de frente porque mantêm o intuito secreto de poderem ser egoístas e de acharem que têm a liberdade ou algum direito de pecar. Até devido à ausência de bênção nas coisas que faz, as pessoas irão sofrer de uma maneira ou de outra. Um divórcio não afecta apenas quem se divorcia; um roubo afecta a vida das famílias de quem rouba e de quem é roubado; vícios e droga afectam mais gente que aqueles que consomem.

  3. O inverso desta verdade incontestável também é real: não existe bênção, virtude ou correcção de erro que deixe qualquer pessoa indiferente perto de nós. Não tema corrigir-se diante das pessoas se vai manter-se corrigido no futuro. Quem se humilha, convida à humilhação; quem ora para obter respostas, ensina a orar; quem olha para Jesus, ensina a olhá-Lo de frente; quem abençoa ensina a abençoar. Ninguém terá como evitar que isso aconteça. Um filho torna-se obediente vendo a obediência do pai e da mãe, etc.

  4. Mas, afectar alguém para bem não significa que a pessoa afectada irá gostar de ser afectada; e afectar para o mal também não significa que irá desgostar de ser afectada. Na verdade, o que as pessoas consideram pecado é normalmente aquilo que alguém faz contra eles ou contra as suas vontades. Raramente vêm o pecado exclusivamente como a transgressão da lei de Deus. Deus, por outro lado, vê como pecado aquilo que fazemos aos outros e não o que nos é feito. Então, a opinião que conta será sempre a de Deus. No fundo, sabemos que a nossa vida sempre afecta qualquer um perto de nós, tal como a mulher rixosa e mandona acaba afectando o marido, os filhos, o ambiente em casa, os vizinhos, os familiares mais distantes, etc. O segredo para a vitória em um homem casado que tem uma mulher assim, é viver como homem e como homem de Deus, isto é, viver a sua vida como se a mulher não existisse e nem os palpites contínuos e rixosos dela. Não responda e viva a vida de Deus seguindo Deus. Deus fará o resto.

  5. O mesmo deve acontecer com a esposa santa vivendo com marido rixoso e iracundo (orgulhoso), embora o papel da esposa em tal situação seja mais difícil em alguns aspectos e mais fáceis em outros. Por exemplo: a mulher santa é submissa por natureza. O homem iracundo e rixoso é mandão. Logo, ajuda muito o papel da mulher santa. Aparentemente não existem incompatibilidades entre eles, mas só aparentemente. Mas, quando é a mulher que é mandona e não cumpre o papel bonito de submissão, o marido que, além de ser homem, precisa ser homem de Deus dentro da casa, tem maior dificuldade, necessita de maior sabedoria e do tipo de autoridade vinda de Deus porque ela quer subir ao trono da casa. É como se houvesse dois touros em um mesmo curral. Na verdade, é mais feio para uma mulher ser rixosa e mandona que andar nua na rua. Sabemos que andar sem roupa na rua é escandaloso para qualquer homem ou mulher – é bastante feio. Contudo, eu creio que é mais feio ser mandona em casa. Aos olhos do céu é muito mais feio. A verdadeira autoridade vem pela submissão. São os complexos de inferioridade que fazem as pessoas "agigantarem-se". Agigantando-se, fazem inferiores aos outros. Os que se agigantam têm, com toda a certeza, a ideia errada sobre a autoridade. Jesus mesmo disse que o menor será sempre o maior, seja de que jeito for e leve o tempo que levar. Uma mulher submissa a Deus e ao marido obtém tanta autoridade diante de Deus quanto um homem verdadeiramente submisso a Deus. Esta é uma lei da natureza. Ninguém conseguirá mudá-la, nunca.

  6. Vamos ver o papel do homem que vive com mulher rixosa e mandona. Este homem necessita de sabedoria vinda de Deus, paciência no tempo de Deus e andar muito próximo de Deus – e apenas com Ele. O que tal homem deve ter em mente é que Deus também está contra sua mulher. "O Senhor resiste aos soberbos". Isto é, Deus não é indiferente para com os soberbos. Logo, Deus há-de achar maneira de humilhar em público tal bicho feio e imoral que, na verdade, é uma aberração da própria natureza. Uma mulher mandona está em relação ao casamento como um homossexual em relação ao sexo: está torcida. O homem santo que vive com mulher assim deve andar com Deus, falar pouco e certo, falar as coisas de Deus oportunamente, para que quando elas se concretizem, a esposa veja, aprenda e aprenda a respeitar. Só assim ela poderá salvar-se. E se o homem realmente deseja salvar a sua esposa, deve deixá-la errar e ele deve fazer tudo que Deus quer do jeito que Deus quer. A esposa vai errar com certeza e a sua atitude podre acabará estourando no próprio rosto. Será que ela vai aprender logo na primeira vez que estoura? Creio que não. Logo, o marido andando com Deus vai acertar e convencer a esposa através de seu procedimento a longo prazo. As coisas ainda não aconteceram do jeito que Deus lhe mostrou? Não desanime, acontecerão com certeza. Por isso, não espere que a esposa mude logo com a primeira ou com a segunda lição. O que faz a mulher errar é o coração que ela tem e o que a fará acertar será o coração dela e não as lições que aprende. Concordar com o marido uma vez por outra por causa de certas lições vindas de e operadas por Deus em Sua ciência não leva a uma mudança de coração. É preciso que o coração mude internamente e inteiramente por obra dela em cooperação com Deus e em toa a obediência. Logo, tendo o coração mudado, então concordará com o marido que nunca se deixou afectar ou afastar de Deus por causa dos maus caminhos/feitios dela. (Lembre-se que toda a mulher mandona achará sempre que seus caminhos são os mais certos. Ela ignora, contudo, "que existem caminhos certos aos seus olhos que levam à morte", Prov.16:25). Assim que Deus concretizar tudo quanto o marido fala, dará autoridade ao homem da casa – não pelas exigências que faz a ela, mas, pelas operações das providências de Deus. Por norma, Deus só falará um tempo depois da esposa errar e depois do fruto haver apodrecido. (Mas, a mulher sábia muda antes que isso aconteça. É uma das hipóteses). Por isso, tenha paciência e espere o tempo certo. Deixe o fruto mau apodrecer. Deus logo falará. Se um fruto estiver caído no chão você necessita pisoteá-lo para estragar-se? Está separado da árvore! Se o pisar, a esposa não dirá que o fruto se estragou por haver sido pisado pelo marido? Então, não pise e deixe o tempo falar sozinho. Deixe, pois, o fruto mau acaba apodrecendo por si mesmo. Não perca seu tempo precioso pisando o fruto mau. Cuide da sua intimidade com Deus e, se assim fizer fielmente e exclusivamente, sua esposa nunca estará perdida, pois será disciplinada pelo próprio Deus. Lembre-se que Deus estará contra ela também e não precisa que o marido se esforce através de ameaças para que Deus se coloque contra tal monstrinho. A mulher mandona e rixosa é uma aberração da própria natureza. Nem Deus a atura. O confronto dela com Deus será inevitável. Sua vida não terá como dar certo, a menos que mude e mude rapidamente. Amem.

Voltar para Index de Mensagens

José Mateus
zemateus@msn.com