“”,
Os caminhos dos maus
"Não entres na vereda dos ímpios, nem andes pelo caminho dos maus", Prov.4:14

Toda a gente acharia que os caminhos dos maus são aquelas coisas vergonhosas que se fazem no mundo como a prostituição, a droga, as bebedeiras e as festas com músicas e danças. Todas essas coisas são, na realidade, caminhos péssimos. Mas quantas vezes nos desculpamos usando, como referência, apenas aquilo que achamos serem caminhos maus? Já conversei muitas vezes com pecadores longe de Deus que me dizem assim: "mas eu nem sou grande pecador! Não fumo, não bebo, não cometo adultério, etc." Fazem parecer que viver longe de Deus não é crime grave.

Vou aqui mencionar alguns caminhos maus que não devemos seguir. Sei que existem muitos outros e a lista talvez se tornasse interminável, mas, a única coisa que pretendo alcançar com as coisas que surgiram em meu coração hoje, é tão só modificar um pouco os conceitos que temos acerca do que é caminho mau e do que não é. Vamos analisar um pouco alguns dos caminhos dos maus – aquilo que a Bíblia considera ser um caminho mau, perverso e arrogante.

  • O mundo fica atarefado sem tempo para Deus. Este caminho é péssimo. Evitemos este caminho com todas as forças que ainda possuímos – aquelas que o mundo ainda não consumiu e nem desgastou. Mas nem é preciso muito esforço para estarmos com Deus – o esforço é típico de quem quer permanecer longe d’Ele. Por essa razão os oprimidos e cansados são convidados a vir a Ele, porque mesmo cansados e desgastados podem vir e conseguirão achá-Lo de imediato.

  • O mundo acha que dando tempo a Deus fazemos um favor a Deus – não a nós mesmos. Por isso sacrifica-Lhe. Na verdade, o nosso tempo com Deus salva-nos de nós mesmos e de nosso pecado, por muito enraizado e ramificado que esse pecado ainda possa estar em nós. É ali que tudo acontece. Pensar de forma religiosa sobre nosso tempo particular com Deus é andar no caminho dos maus, é pensar como eles e seguirmos adiante desse jeito. É o mundo quem tenta subornar Deus para que esse mesmo mundo não necessite mudar para ter Deus com ele. Nunca entremos por este caminho de ímpios – ele é fatal e infinitamente enganador.

  • O mundo peca e desculpa-se. Desculpa é coisa tipicamente mundana. "Tal é o caminho da mulher adúltera: ela come, limpa a sua boca e diz: não pratiquei iniquidade", Prov.30:20. Isso é o oposto de andarmos na luz. Acusar também é.

  • O mundo dá prioridade àquilo que tem na cabeça. Muitas vezes dizem: "vou fazer isto primeiro e depois atendo aquilo". Na verdade, os crentes que seguem os jeitos do mundo fazem as coisas que os preocupam primeiro e só depois se colocam à disposição de Deus, como se Deus não se quisesse envolver junto com eles na resolução eficaz de todos os seus problemas. Esta atitude de dizer "depois termino, ou depois faço isto ou aquilo", adiando as coisas mais importantes da vida porque não nos apetece cumprir naquele momento, é um caminho de ímpios pelo qual nunca devemos entrar sequer – quanto menos segui-lo! "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças", Ec.9:10. "Agora, meu filho, o Senhor seja contigo; prospera e edifica a casa de Senhor teu Deus, como ele falou a respeito de ti. Levanta-te, pois; mãos à obra! E o Senhor seja contigo!", 1Cron.22:11.

  • As pessoas vivem a vida toda achando que Deus não se envolve em nossa vida pessoal connosco, que não se torna real e que a ganância deve dominar nossas vidas na prosperidade e a amargura na pobreza. Só buscamos Deus quando temos um problema que consideramos sério! Por essa razão nos desleixamos na oração e no estarmos envolvidos com Deus e envolvidos por Deus orando todo tempo sobre e pelas coisas normais que fazemos. Existem pessoas que falam sozinhas enquanto trabalham para se concentrarem melhor naquilo que fazem. Porque razão será tão difícil então conversarmos com Deus sobre nossas tarefas, sobre nosso trabalho, sobre nossos afazeres do mesmo jeito, se quando falamos com Deus Deus responde e corresponde? Será porque Deus não nos é real ainda? Será por mau hábito? Será porque achamos que um Deus grande não se envolve em tarefas pequenas? "Ora, quem despreza o dia das coisas pequenas?" Zac.4:10. Deixar Deus fora de nossa vida ou nossa vida fora de Deus é caminho mau pelo qual não devemos seguir. "Assim diz o Senhor: Não aprendais o caminho das nações", Jer.10:2. Esse é o jeito do mundo, ignorar Deus, abster-se de seu Deus e Criador, aprenderem a não se envolverem com Ele de maneira real através de seu dia-a-dia e de seus trabalhos. Por isso nascem as religiões, as doutrinas pessoais, os pontos de vista, as denominações e as consequentes discussões de doutrina sem Deus, sejam elas boas ou más. "Não fazem os ímpios o mesmo?" Mat.5:46.

  • Os incrédulos espantam-se com as coisas que Deus faz e por essa razão buscam sinais, tanto dentro de si como fora e dentro dos outros. Não que Deus não os dê, mas o erro consiste em que as pessoas acham um Deus real uma coisa espantosa e maravilhosa. Ele é maravilhoso, de facto, mas Sua pessoa é que é. Sua presença deveria, no entanto, ser a coisa mais comum deste mundo. E Deus não dá sinais – Ele faz sinais, algo que para Ele e para os anjos são coisas normais de suas vivências e convivências contínuas. "Assim diz o Senhor: Não aprendais o caminho das nações, nem vos espanteis com os sinais do céu; porque deles se espantam as nações", Jer.10:2.

  • O caminho da preocupação é um caminho de ímpios. São eles que sabem que Deus não vai atendê-los quando oram. Mas os limpos de coração nem podem pensar do mesmo jeito que eles – nem têm razão para isso.

  • Outro caminho ruim e pecaminoso que as pessoas facilmente seguem sem se darem conta de que o fazem, é lastimarem-se.

  • A amargura – seja ela contra Deus ou contra pessoas – nem deve ser deixada progredindo. Devemos antes achar a raiz dessa amargura e nem sempre a raiz é a mesma, pois ela varia de pessoa para pessoa. Nem tudo funciona do mesmo jeito com toda a gente. Mas, de uma coisa sabemos: a amargura está directamente relacionada com o tipo de coração que temos ou que não temos e deveríamos ter; com pecado por confessar (mesmo que seja só um) e nunca por causa das circunstâncias de nossa vida onde Deus pode estar presente connosco. Com Deus, uma tonelada torna-se leve e sem Deus uma pena torna-se um fardo pesado. Devemos achar todas as raízes da amargura em nós e não apenas impedir a amargura quando ela já é fruto, Heb.12:15. Os pecados anulam-se pelas raízes e não podando e cortando galhos e pedaços deles.

  • A irritação também é fruto dos caminhos do mundo – é consequência daquilo que fazemos ou deixamos de fazer. Muitas pessoas andam irritadas com tudo apenas porque se desleixam com a leitura da Bíblia ou com seus outros deveres. A irritação pode ser um daqueles pecados que tem raiz ou raízes, como pode ser força de hábito e de expressão. O caminho do mundo não busca essas raízes para exterminá-las para sempre. Apenas busca consolar-se; controlar-se; desculpar-se; tornar-se indolente aceitando ser irritadiço, defendendo seu próprio jeito; tornar-se hipócrita escondendo seus pecados porque no fundo não acredita que Deus pode salvar da irritação, preferindo fingir não estar irritado ou irritadiço; colocando também uma máscara para não ser visto pecando por causa da consciência de pecado e do medo dos homens que tem. Tudo isso são caminhos dos maus pelos quais nem nos devemos aventurar. Esses caminhos parecem certos aos homens, mas o fim deles é morte certa.

  • O mundo justifica-se de tudo, justifica tudo. Têm esse hábito, essa peste enraizada dentro deles. Mesmo quando somos acusados falsamente, devemo-nos abster com todas as nossas forças de nos justificarmos como se Deus não fosse a nossa única justiça – isto se Ele for.

  • O mundo duvida e rejeita facilmente a verdade para poder acreditar e aceitar a mentira. Eles nem descrêem sem razão. Nunca tenhamos essa atitude destrutiva, de desejar conviver com a ilusão como se Deus não nos fosse dar acima daquilo que podemos imaginar ou sonhar. Se nem achamos que Deus nos pode assistir nas coisas normais da vida na terra, como creremos sobre as coisas que ainda nos possam ser maravilhosas? Enquanto as coisas maravilhosas forem coisas do outro mundo e enquanto sonharmos com elas, Deus nem as deverá entregar em nossas mãos. Moisés achou normalíssimo o Mar Vermelho abrir-se. Miriam é que não e pulou e dançou porque Deus desfez os Egípcios opressores. A confusão instala-se sempre porque usamos a alegria do milagre para nos alegrarmos sobre a destruição de nossos inimigos. Bastaria estarmos agradecidos apenas porque deixámos de estar oprimidos e fustigados.

  • O mundo da confusão é outro caminho dos maus. A confusão existe porque mesclamos sentimentos; porque misturamos Deus com o mundo, a Bíblia com o pecado; porque não nos podemos aquietar diante de Deus por um momento. Se nos aquietarmos diante de Deus, Ele poderá desamarrar o nó que fizemos à volta de nós próprios. Precisamos saber e poder separar verdades, estarmos disponíveis e de prontidão assegurada, previamente, sabendo que cada oportunidade tem seu jeito próprio. Não podemos falar quando devemos ficar calados e nem ficar calados quando deveríamos falar certo. Não devemos ter leis que nos fazem falar sempre ou calar sempre. Esses caminhos levam à morte, seguramente – não apenas à nossa morte, mas a de quem nos ouve ou de quem não nos ouve, dependendo das circunstâncias. São os ímpios que se tornam confusos e confundidos sem paz de espírito dentro deles. "Mas os ímpios são como o mar agitado; pois não pode estar quieto, e as suas águas lançam de si lama e lodo. Não há paz para os ímpios, diz o meu Deus", Is.57:20-21. Se tivermos falta de paz, o melhor será pararmos e restabelecermos nossa paz com Deus primeiro logo ali sem nos importarmos com mais nada e nem com mais ninguém. "Que vale ao homem ganhar o mundo se perder a sua alma?". Permanecer com falta de paz é caminho de ímpios. Não façamos o mesmo. Aproximemo-nos de Deus para vermos bem o que se passa, enchendo-nos de Sua Vida, pois essa Vida é que é a luz dos homens (João 1:4) e é a que é eterna.

  • Ser apressado é coisa de ímpio. Os apressados nem conseguem ser rápidos e eficazes porque atrapalham seus próprios passos com a sua pressa. Ser apressado é o oposto de sermos diligentes, perspicazes, eficientes. A pressa é o oposto de sermos rápidos. Quem faz uma coisa apressadamente, tornará a fazê-la porque não ficou bem feita quando a fez da primeira vez. E isso nem pode ser sinónimo de rapidez e eficácia. "Não é bom agir sem reflectir; e o que se apressa com seus pés erra o caminho", Prov.19:2. "Os planos do diligente conduzem à abundância; mas todo precipitado apressa-se para a penúria", Prov.21:5.

  • Persistir e continuar vivendo com falta de paz é coisa abominável e execrável. Nunca devemos dar o passo seguinte se nosso coração nos condena e se não se encontra pacificado com Deus. Se precisarmos ir de emergência para um hospital e ao mesmo tempo temos um pedido de perdão para fazer a alguém, mais urgente é o pedido de perdão. Se morrermos, morreremos em paz. E nada nos garante que irmos para o hospital nos salvará de morrermos sem paz com Deus e com os homens.

  • Desanimo é descrença misturada com desejo próprio. O mundo desanima, desiste das coisas em qualquer fase de qualquer coisa. Podem desistir no último troço de seu caminho (a parte mais difícil e penosa de todas), como podem desistir a meio do caminho ou mesmo antes de começarem a fazer algo. A sua apetência para desistir é um barómetro exacto do amor que nutre por si próprio. Quanto mais facilmente desiste da coisa certa, tanto mais se ama a si mesmo e se poupa da sua própria morte com Cristo. Quanto mais fácil for sua desistência da coisa certa, tanto maior será sua persistência e apetência naquilo que está errado também.

Estes são os caminhos dos maus, os jeitos típicos dos que são ímpios. Sempre que agirmos desse jeito lembremo-nos das palavras de Deus: "Não entres na vereda dos ímpios, nem andes pelo caminho dos maus", Prov.4:14. Amém.

Voltar para Index de Mensagens

José Mateus
zemateus@msn.com