COMO NO CÉU
"Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu", Mat.6:10

No Céu a vontade de Deus é feita. Por isso, esta oração não nos ensina a pedir que ela seja feita no céu, mas como no céu. Algo se esconde por detrás deste versículo que temos de apanhar no ar e consolidar em nossas vidas. Eu tenho a certeza que, por detrás disto que Jesus nos quer fazer passar aqui, se esconde todo o segredo do Novo Testamento.

Este versículo quer simplesmente dizer que a vontade de Deus seja feita do mesmo jeito que ela é feita nos céus. Todo homem tem uma vontade. Mas, o pior de tudo é que ele tem um jeito de fazer que se enraíza no dia-a-dia de seus afazeres, na conduta de seu sistema interior que o afecta e faz pensar coisas boas ou más (até a seu respeito) que faz por causa do seu jeito do qual depende e do qual dificilmente abre mão para não se sentir perdido e à deriva. Se o homem perder sua vontade nunca o afectará tanto quanto perder seu jeito de fazer essa vontade ou outra. É pelo seu jeito que cada homem vive, luta e agride mais.

O homem pode estar a pensar uma coisa – até sobre si mesmo – estando a fazer outra diferente e distinta daquilo em que pensa, com a ideia do jeito que pensa enraizada dentro de si como se estivesse fazendo aquilo mesmo. O homem acha-se bom quando na prática exerce todo tipo de maldade e isso ao mesmo tempo que pensa no que acha que é. O homem é uma ilusão e porque é uma ilusão sua vontade é, na verdade, inerte. O homem nem domina seu próprio fôlego, pois nem isso lhe pertence. O homem engana-se a ele mesmo e sem ver algo diferente. "Enganoso é o coração acima de todas as coisas – quem o entenderá?" Jer.17:9. Isto é tudo que a Bíblia se refere ao dizer "Não vos enganeis a vós mesmos", ou simplesmente "Ninguém se engane". Todo homem se tornou hipócrita porque está sempre sujeito a um modo de viver distinto e diferente de seu modo prático e real, está entregue a um modo que o faz fazer e implementar as coisas do seu jeito quase sem se aperceber, a um modo de vida estranho a ele mesmo em termos de criação que ele é. Cá na terra, o homem foi criando um modo de estar na vida separada de Deus, adaptando-se às mentiras nas quais creu, crê ou começou a crer, tanto sobre si mesmo quanto sobre toda a ilusória realidade que o cerca e a qual defende com tudo que tem nele. Todo homem defende seu jeito porque defende a própria esperança que advém dele, fazendo-o confiar em si mesmo, algo que é nada mais nada menos que o oposto da fé que é real e substanciada por Deus - uma fé que não seja nem fingida nem forçada, mas é real e conforme a verdade.

Quando Deus vem e quer entrar na porta onde bate, Seu maior problema nem sempre é a vontade do homem: é seu jeito de fazer. Todo autoritarismo, toda a forma de legalismo mais ou menos precisa começa com a anulação simples da vontade do homem, pensando e assumindo que a vontade de cada homem será seu maior problema. Por essa razão e porque isto é mentira, muitos acabaram achando que o homem não tem vontade própria. Na verdade, o vírus reside naquilo que faz o homem fazer tanto quanto na forma como faz e não somente naquilo que o homem quer ou acha que tem de querer. Aquilo que ele é, é uma mera consequência de tudo aquilo que o leva a fazer.

A oração do Senhor Jesus não é que o homem faça a vontade de Deus, mas que a faça do jeito que ela é feita no céu - simplesmente.

Sabemos que um fruto dificilmente cai longe da árvore onde nasceu. Isto é um ditado alemão. Um filho é a consequência dos jeitos de seus pais, das influências que sofre em toda a sua vivência com eles e não só. Se os pais quiserem corrigir seus filhos, que se corrijam a eles próprios primeiro e seus filhos aprenderão – por assimilação e não só – a corrigirem-se a eles mesmos. Os filhos aprendem o jeito de se corrigir dos pais quando os pais têm uma sinceridade incontestável na correcção de seus próprios jeitos. Se os pais se corrigirem a eles próprios com a segunda intenção de, através disso, corrigir os filhos, os filhos aprenderão a corrigir-se para com isso corrigirem os outros também. Isto será o que a Bíblia chama de hipocrisia, pois não tornam a obra em cada ser independente da sua própria. As coisas nesta terra funcionam por assimilação, por aprendizagem intuitiva e inteligente. Ninguém nasce com uma personalidade, mas todos nascem com uma apetência para essa mesma personalidade ser formada, pois logo ao nascer estão sujeitos à iniquidade e aos desvarios do meio-ambiente onde foram cair ao nascer, ou à santidade de seus progenitores. Se nascessem num ambiente igual ao do céu seriam celestiais porque sabem e têm como aprender. Em tudo isto, temos de levar em conta que o principal inimigo de cada homem é seu jeito e não apenas sua vontade - não o mundo onde nasce, mas o coração que tem e que assimila. Se a pessoa ver Deus e buscar ver Deus e Suas coisas apenas, assimilará tudo quanto vê.

A vontade de Deus não será a única coisa que falta cá nesta terra. Por essa razão é que Jesus se refere mais a que Sua vontade seja feita cá na terra como ela é feita no céu, acima de que Sua vontade seja feita. Onde houver meios, haverá um fim. Mas onde houver um fim sem jeito alternativo de se poder chegar lá, não haverá nem meio nem fim a ser alcançado e obtido. A vontade de Deus fica nula sem o jeito do céu para a encetar e poder fazer.

A igreja tornou-se apóstata (e não apenas a igreja católica) simplesmente porque está tentando fazer as coisas de Deus do seu jeito e para seus próprios fins. Os crentes entram na suposta comunhão com Deus, falam línguas e que mais não para que Deus possa fazer Sua vontade (ou fazê-la do Seu jeito), mas também e em muitos casos, fazer a vontade de Deus do jeito deles ou fazer a vontade deles do jeito de Deus. Todo homem luta mais pelo seu jeito que pela sua vontade. Se o homem abdicar da sua própria vontade, sacrificando-se supostamente, não abdicará de seu jeito e até se congratula em haver-se sacrificado a esse ponto. Também existe a alternativa de eles quererem e desejarem que seja Deus a fazer as vontades deles porque isso seria algo de grande valor para quem quer continuar pecador, havendo um Deus Todo-Poderoso que abençoa e frutifica a vontade de quem não tem poder para implementar suas próprias coisas e achou muito poder para, desta vez e desta feita, conseguir todos os seus anseios de forma eficaz e eficiente. Mas antes que Deus supostamente venha fazer a vontade deles (sob pretensão que é essa a vontade imperial de Deus), passam sempre por um processo de "evangelização" que os torna pertencentes a uma denominação que em muitos aspectos bate certo com o que pensam ser Deus: um abençoador de pecador e não um exterminador de pecado para santificar quem abre mão dele. Por essa razão entram em transe, por vezes analítico mesmo e cheio de doutrina, querendo assimilar seu engano interior e não só, a uma adoração que nada tem de a ver com realidade verdadeira e simples através da qual Deus se pode tornar real para quem fala com Ele, respondendo de forma clara não apenas às orações, mas ao próprio e ao próprio falar de quem ora no mesmo momento. É isto que lemos que acontecerá (ou pode acontecer): "E acontecerá que, antes de clamarem eles, eu responderei; e estando eles ainda falando, eu os ouvirei", Is.65:24.

Por essa razão e não só, encontramos Satanás a baptizar com o "espírito" que muitos acham santo porque os faz cair. As pessoas buscam sinal para os convencer que estão plenamente certos em seus erros. Eles buscam um certificado de erro, querem um Deus Todo-Poderoso atestando  tudo que fazem do jeito que fazem. Não é de admirar que o inimigo de suas almas se possa vir aproveitar de suas euforias pouco lúcidas e pouco honestas em relação às Escrituras e um coração devidamente sóbrio nelas, um que não acrescenta nem tira das Escrituras para beneficiar tudo que acha que é certo ou deveria ser. As línguas que se falam, os baptismos que se fazem, os dízimos que se recebem, os milagres que se diz que fazem, as palestras que se embelezam, os estatutos que se ganham, não vêm de Deus.

Outros entram numa menor euforia que outros tantos e chegam mesmo a ser frios e supostamente disciplinados. Cada qual vive com a sua coisa. Mas, que se cuidem os homens, pois onde Deus entra nem sempre a conduta do homem necessita ser planeada ou edificada, corrigindo Quem corrige, sendo a santidade dentro da Sua ordem o jeito de Deus cria logo ali, abrindo um precedente a que os homens nunca estão habituados e mesmo assim podem assimilar sem qualquer dificuldade, sendo que têm dentro deles constituição suficiente para assimilar o jeito para o qual foram criados e com o qual foram criados, como um pato obteria seu jeito de flutuar na água achando-a se viveu antes sem ela. Por essa razão lemos assim: "E guiarei os cegos por um caminho que não conhecem; fá-los-ei caminhar por veredas que não têm conhecido; tornarei as trevas em luz perante eles e aplanados os caminhos escabrosos. Estas coisas lhes farei e não os desampararei", Is.42:16. Leia-se o inicio de Isaías 32 também, pois ali se fala de muito do que aqui tentamos colocar na luz do entendimento humano. Ali se contrasta claramente alguém de quem assume de si próprio ou a outros como sendo recto, correcto e não só, não sendo recto por dentro dentro do ambiente ordeiro que cria para enganar e confiscar as almas dos homens para dentro da igreja e não para os braços verdadeiros de Jesus.

O dilema de todo homem nunca foi fazer a vontade de Deus, mas antes abandonar seus jeitos de atentar para essa vontade ou para a sua própria. Se o homem abandona sua vontade, quer manter seu jeito - se mantém sua vontade, quererá adoptar o jeito poderoso de Deus implementar as coisas. Não nos esqueçamos que cada homem pode fazer uma pregação do seu jeito, sob orientação de sua doutrina e condecorá-la com a insinuação que veio de Deus e até criar profecia para corroborar tudo quanto diz; pode assimilar profecias falsas e não só, de seu jeito também; pode acreditar e praticar línguas, baptismos, supostas plenitudes – entre outras coisas – sem que Deus esteja presente. O diabo pode ser Baptista, Presbiteriano, Assembleiano, mesmo que os Baptistas, Presbiterianos e Assembleianos possam ser de Deus se se arrependerem não apenas do que acham e assumem como pecado, mas de seu jeito humano também. Falar a verdade e expô-la de forma quase perfeita não é sinónimo da presença nem de Deus nem de Sua bênção. Podemos assistir a uma evangelização através duma criança sem quaisquer recursos teológicos seguidos de grandes frutos e bênção que permanecem para sempre, como podemos seguir todos os ensinos de homens eruditos e formados em seminários sem alcançarmos aquele fruto celestial que não tem imitação possível aqui nesta terra. Eu vivi um avivamento de perto onde os lideres ouviam as crianças pregando e obedeciam como o fariam a Jesus no céu – porque era Jesus falando sem sombra de qualquer dúvida.

Mas, caso não fosse Jesus falando por essas crianças, quem não é de Jesus ouviria essas mesmas crianças porque o jeito do homem está presente no que se faz da maneira que se faz mediante o erro em sua força, Amos 3:3. Os homens enxergam seus iguais – não por aquilo que dizem e afirmam, mas mais por tudo aquilo que são e possam auferir entre si e de si mesmos. O jeito de salvar é implementar o jeito dos céus, é mais que tentar dominar e obrigar as pessoas a fazerem algo ou a aceitarem uma vontade por imposição ou por ordem doutrinária. Por essa razão se pensa que as mulheres não podem cortar o cabelo, que elas e eles não podem fazer certas coisas. Mas, na verdade, uma senhora que acha Deus vestir-se-á convenientemente sempre porque foi mudada por dentro e não se sente bem se estiver mal vestida. Impor uma conduta a alguém que nem mudou por dentro, encobre o pecador e não o deixa revelar-se e manifestar-se como tal e isso nunca será transformar uma pessoa – pode servir para encobrir a pessoa ruim que está dentro dela, ainda intocável. A doutrina principal da Bíblia em relação ao pecador é "andar na luz" e não nas trevas e encobrindo. A reforma exterior duma casa pode fazer transparecer que essa casa está bem sólida e nova, mesmo quando seus fundamentos e alicerces possam estar podres, apodrecidos ou inexistentes. É verdade, também, que uma casa que tem bons fundamentos e alicerces pode ser perfeita em toda a sua aparência e ser reformada por fora também. A vida nova tem aparência nova também. Mas o problema do mundo é assimilar sem mudar de facto e por dentro - de dentro para fora.

O mundo quer, quando não lhe resta alternativa nenhuma, fazer as coisas de Deus de seu jeito – já que achou que Deus não pode abençoar seu pecado do Seu jeito poderoso e terno. O jeito será tornarmo-nos ovelhas e não tentar transformar Deus em pastor de bode. Só ovelha ouve a voz de Deus, só ovelha pode entrar em Seu aprisco. Se bode ouvir uma voz, essa voz só pode ser de outro. Amem.

Voltar para Index de Mensagens

José Mateus
zemateus@msn.com